quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Reis de Todos os Mundos Possíveis no Argos 2014

O já tradicional prêmio Argos, dedicado à produção brasileira de literatura de cunho fantástico, incluindo fantasia, horror e ficção científica, é resultado da votação direta dos sócios do CLFC, Clube dos Leitores de Ficção Científica do Brasil, e busca agraciar os melhores romances e contos de gênero fantástico publicados em 2013.

Este ano, a cerimônia de entrega migrará de São Paulo para o Rio de Janeiro, sua cidade natal, e terá lugar no Planetário da Gávea, em 18 de outubro, a partir das 14h. A entrada é franca e quem comparecer poderá descobrir quais, dentre os 13 autores indicados nas duas categorias, Melhor Romance e Melhor Conto, foram considerados os mais bem realizados do ano anterior pelos votantes.

O Projeto Intempol estará no páreo, com Reis de Todos os Mundos Possíveis, de Octavio Aragão, concorrendo dentre as narrativas longas. 




terça-feira, 22 de julho de 2014

The Long Yesterday: o passado condena, mas o futuro redime

O criador da Intempol, retratado por Osmarco Valladão



Bem-vindo, novato, eis seu crachá de visitante. Mantenha-o à mostra durante a visita. 

Não toque em nada. Segurança é tudo.

Sabe como é, a história não é fixa e qualquer modificação, por menor que seja, muda tudo. Você não gostaria de exterminar a si próprio inadvetidamente. Deixe-me guiá-lo por estes corredores brancos.

A partir de 1998, o porvir será interessante, com alguns de nossos conceitos sobre fluidez cronal e realidades alternativas caindo no senso comum. No cinema, haverá a revelação da Matrix, dos Homens de Preto e de uma coisa chamada Avatar, mudando nossa maneira de ver o mundo e revelando alguns segredos ao público. Observaremos o amadurecimento de um evento na Internet chamado “redes sociais”, que reunirá pessoas em tempo real, o tempo todo. 

Tempo, tempo, tempo.... sempre ele. No Brasil haverá a ascenção de uma presidenta e nos Estados Unidos, um líder chamado Obama. Curiosamente – e você vai pensar que estou de brincadeira, mas a história é irônica – também aparecerá um líder terrorista chamado Osama, que, munido de dois aviões e alguns avoados, derrubará duas torres. Tudo isso, recruta, acontecerá num piscar de olhos, enquanto seus dedos digitam as Caixas Registradoras e passam os Cartões Cronais, equipamento padrão da Intempol. 

Em 1998 suge – sim, acostume-se com as mudanças abruptas dos tempos verbais em uma conversa – o primeiro sinal da Intempol, num conto chamado “Eu Matei Paolo Rossi”, que conta subversivamente a verdade por trás de todas as Copas do Mundo. Pois é, sabe aquelas teorias conspiratórias que enxameam as fofocas diárias? São todas verdadeiras. Todas, até as que você sabe que são impossíveis. 

Cada um dos contos da série Intempol, escritos por autores diversos, revelam realidades tão palpáveis quanto críveis que chamamos de “Mitoverso”. Dentre esses contadores de histórias, está Osmarco Valladão, pai de Lace O’Malley, um detetive chandleriano em uma Hollywood de sonhos e sandices, de clones temporais e planos megalômanos. O conto The Long Yesterday, que conta a aventura de um homem de ação recrutado por uma empresa dedicada à adequação da história aos seus propósitos, foi  publicado no mítico ano 2000, dentro da antologia Intempol, e virou um álbum em quadrinhos em 2005.

A narrativa roteirizada por Valladão e desenhada pelo prolífico e legendário Manoel Magalhães recebeu indicações para prêmios, mas desapareceu rapidamente das livrarias, talvez devido à ação de forças externas (cof... cof...), deixando um gosto de irrealidade, de lembrança de um sonho à beira do despertar. A Intempol continua a aparecer eventualmente – serão publicados, até 2014, quase 50 contos, dois romances, dois albuns em quadrinhos e uma webcomic – mas O’Malley e sua gangue sumiram por tempo demais. É hora do retorno. 

Seja bem-vindo, calouro, e participe do ressurgimento do detetive mais durão de todos os tempos, no Catarse.

Sim, isso é uma convocação. E uma celebração.

Alguns brindes para os colaboradores. Sim, isso é com você!




quarta-feira, 9 de julho de 2014

Bolão – Conto de Luiz Felipe Vasques

Julho de 2014. Mais uma Copa do Mundo. Ou talvez seja sempre a mesma.

É muito bom saber que, mesmo depois de 14 anos desde a publicação da primeira história nesse multiverso maluco, Intempol ainda inspira contos divertidos e antenados. E, como não podia deixar de ser, este aqui, recém-produzido por Luiz Felipe Vasques, assim como o primeiro publicado no agora diáfano 1998, fala sobre as dores de um jogo perdido. O tipo de ferida que jamais se fecha.


***

- 7 a 1, pode por aí. 

Osmar olhou para a estagiária:

- Brasil? Otimista, hein, garota?

- Não, não: Alemanha.

Osmar balançou a cabeça, mas não estava convicto. Despacharam Portugal por 4x0. Mas uma vitória assim…

- Por que? – Insistiu em saber.

- Ah, a camisa deles é do time do meu namorado. – Revelou. Osmar ainda assim deu um sorriso simpático, apesar do que realmente achava. 

- Mas por que a 1?

- Ah, Brasil, sabe como é, tem que acreditar.

Balançou a cabeça novamente. Cabecinha de vento. Mas foda-se, o dinheiro era dela, ela era maior de idade. Anotou a aposta.

7x1. O 1 havia entrado quase como se o oponente se desesperara nos últimos 15 minutos em ao menos dar ao anfitrião as chances de um gol de honra. Honra de quem tem a mãe na zona, é claro. O fantasma de 50 era substituído pelo de 14. 14 reverberava nos corações e mentes incrédulos de gerações, a partir daquele momento. O país ainda haveria de encontrar o segundo fantasma de 50, mas isso era outra história. Até lá, 14 era o novo ano terrível.

– Que cara é essa, Osmar? – Como se o outro não soubesse.

– Porra, perdi a maior grana no bolão… 

– Ainda bem que eu não aposto nessas merdas… – Algo estava errado. – Peraí, perdeu? O bolão não foi desfeito? Alguém acertou o placar?

– E pra uma garota. A Renatinha, estagiária lá da Marinete. 7x1 cravado. Ainda disse que apostou na Alemanha porque a camisa lembra – 

– A camisa do time do namorado. – Ecoou o outro, que atendia por Fraga. 7x1, e agora ainda essa. Puxou o celular. Osmar revirou os olhos, um “putamerda” mal murmurado. O celular atendeu: – Ô, Deodato, como é mesmo a história da Adriana tua filha que ganhou uma aposta no trabalho…?

Eventos como Copas do Mundo sempre são mais tensos. Facilmente alvo de quem quer fazer muito dinheiro, mexer em política, fazer o diabo. A Empresa estava lá para que elas fossem e permanecessem como são, dentro dos acordos anteriormente estabelecidos. Ainda que não se compre ou se venda uma Copa para sempre: mas isso era decisão das mais altas hierarquias, e dificilmente o resultado muda.

Davi era um ratinho. Não queria forçar a queda de governos, entrar na bolada do superfaturamento de estádios, nem grandes esquemas complicados e fáceis de serem vistos. Bolões entre funcionários podiam render uma boa grana. Nem precisava procurar emprego, bastava namorar a garota certa em cada oportunidade. Ser um Agente da Intempol facilitava muito este esquema. Nem precisava sair cometendo LTAs. Mas Davi também era burro. Comer a estagiária da Marinete e achar que podia dar desfalque nos colegas de trabalho era forçar a sorte. Forçar a sorte em um momento sensível, ainda por cima.

Por isso, a coronhada do rifle de assalto que recebeu nos dentes foi bem merecida, pensava Osmar com um sorriso de hiena, enquanto arrastava o desfalecido desdentado para a prisão. A maleta na outra mão pesava, com o dinheiro. Pensou se haveria tempo em substituir Davi no golpe com a corporação que a filha do amigo de Fraga trabalhava. Fora um bom dinheiro. Ainda de quebra comeria uma gostosinha. Riu-se, negando com a cabeça. Não era tão burro assim.

Ou era?

Rio de Janeiro – 9/07/14

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

Três esboços de Até Que Enfim é Sexta-Feira, por Manel Fogo


 
Guido numa situação... desconfortável.


É, o guri é mesmo fogo.

Ao menos é o que julgo ao ver os esboços de páginas de nossa nova HQ, Até Que Enfim é Sexta-feira, continuação do lançamento de 2011, Para Tudo Se Acabar na Quarta-Feira

Pois é, as aventuras de Guido continuam, dessa vez na tumultuada década de 1970, entre ditaduras, discotecas e copacabanas.  É, nosso anti-herói resolveu construir um futuro no passado.

E mais não digo.

Nah, digo sim. Essa história é uma baita experiência, pois pela primeira vez estamos criando a trama a quatro mãos, não apenas com palpites meus nos desenhos, mas com muitas sacadas do Manel no texto, sugerindo ideias e conceitos que eu jamais pensaria.

Quem gostou do álbum anterior vai mergulhar de cabeça. O problema será, depois que der uma olhada na arte finalizada, não querer voltar à surperfície para respirar.

O sono tranquilo de Lovecraft.
Bierce versus Crowley. Que vença o pior.

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

As aventuras intemporais de Clandestina Candente de Cosa

Pelas mãos de Gérson Lodi-Ribeiro, um dos autores presentes na antologia original de 2000, um história da Intempol foi recém-publicada na coletânea Histórias de FC de Carla Cristina Pereira, pela Editora Draco.

A criatura e o criador, em capa sugestiva de Erick Sama

Trata-se da noveleta Clandestina Candente de Cosa, que, além de mostrar as desventuras da protagonista, presta uma homenagem a diversos autores que ousaram viajar pelo(s) tempo(s) em seus textos literários.

Essa jornada de Lodi-Ribeiro pelos interstícios da agência temporal mais brasileira de todos os mundos possíveis já havia sido publicada no falecido site da Intempol, mas está de volta revisada e atualizada.

Quem não leu, corra antes que os últimos exemplares desapareçam num limbo espaço-temporal.

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

O projeto da capa de Intempol: Para tudo se acabar na quarta-feira


A criação e confecção da capa de Quarta-feira form processos a parte e demorados. A HQ já estava nos finalmentes quando decidimos pensar a ilustração, as cores e a tipografia.

A primeira ideia que nos ocorreu foi fazer um cartaz de blockbuster dos anos 70, ou nos moldes dos trabalhos do mestre Benício.

Manoel fez alguns estudos:



Infelizmente, apesar de mostrar todos os elementos principais da trama em composições arrojadas, não era bem isso que esperávamos como “efeito”. Então comecei a pensar se o “Carnaval”, tão presente na trama, não deveria ser evidenciado.

Desenvolvi o rough abaixo:


Ali estavam o carro alegórico, a passista, o efeito especial e os protagonistas, mas não claramente, em silhueta apenas.

Também não funcionou. O lettering, por outro lado, estava começando a tomar forma e resolvi mantê-lo no rascunho seguinte, mas com um swing “anos 70”.


O caminho, afinal, parecia estar mais claro - ou escuro, se levarmos em consideração a paleta de cores escolhida. No final, depois de muita discussão sobre anatomia e de como se arremessa uma granada (?!?!?), chegamos à uma proposta colorida.

Então, depois de uma verdadeira faxina, decidimos retirar todos os elementos que causavam ruído, voltamos com o conceito de cartaz de filme de ação para a quarta-capa (com o carro e os outros personagens, sendo que os soldadinhos migraram para as “orelhas” da capa) e fechamos no que seria a capa definitiva, já com desenhos de Manoel.

O logotipo de Osmarco Valladão ganhou uma tarja preta e “raios elétricos” substituíram os brilhos indefinidos de antes. O letreiramento também ganhou um update, ficou mais condizente com o clima de agressividade da história, e o alfabeto de apoio buscou aliar personalidade e discreção. O logo da Draco foi posicionado à direita inferior, ponto nobre da capa e consideramos o trabalho pronto.

Seguidores